domingo, 25 de julho de 2010

Asafe: O homem de quem Deus se apoderou


Um pouco da história de Asafe


A HISTÓRIA DE ASAFE: O HOMEM DE QUEM DEUS SE APODEROU

Asafe, para quem não conhece a sua história foi um grande levita na casa de Deus, um homem que tinha uma intimidade com o Pai Celestial e que possuía em sua vida o dom de ministrar louvor como ninguém, esta unção ele receberá na sua vida através do rei Davi, que além de rei era um execelente músico e adorador do Senhor.
Diz a história que no dia em que o rei Davi estava trazendo a Arca de volta para Jerusalém para sua cidade de origem Asafe era apenas uma criança quando esteve naquela festa, pois bem, a festa estava linda, as pessoas pararam tudo para receberem a Arca que simbolizava a presença de Deus e em meio a toda aquela multidão o pequeno Asafe se deleitava na presença de Deus, o rei Davi vinha á frente dançando na presença de Deus com todas as suas forças e o povo de Israel estava em festa.
Derepente, o pequeno Asafe que estava no meio da multidão não se contenta em apenas ver a Arca de longe, ele queria algo mais, pois tinha fome e sede por mais de Deus, não se contentava em adorar de longe queria estar mais perto possível de Deus a quem ele tanto amava.
E diz a história que no meio da festa Asafe fura o bloqueio de guardas que faziam a escolta do rei Davi e da Arca e ele corre para mais perto e se joga nos braços do rei e juntamente com ele começa a dançar e a celebrar na presença de Deus, e naquele momento Asafe recebe da parte de Deus e por intermédio do rei Davi a unção de adorador e desde aquele dia em diante o seu nome passou a ser literalmente: Deus dele se apoderou!!!
O tempo passou, Asafe cresceu e então Davi decide construir um tabernáculo para colocar a Arca de Deus, um lugar onde presença de Deus estaria para sempre.
Davi convoca os engenheiros e arquitetos mais inteligentes de seu reino, consulta a Natâ seu profeta, o qual lhe da todo apoio, convoca o povo para que o mesmo dê cada um uma oferta para a construção do templo e ele mesmo oferece do seu tesouro particular para a construção ouro, prata e pedras preciosas pois como ele mesmo disse: que o palácio que ele queria construir não era para o homem mas para o Senhor Deus, portanto tinha que ser o melhor.
Depois de fazer todos estes planos Davi nomeia os levitas que ministrarão na casa de Deus, e entre tantos ele nomeia o jovem que agora já era um homem, um pai de família para ser o chefe dos levitas ele nomeia Asafe.
Mas as coisas não sairam 100% como Davi havia planejado, Deus não permitiu que Davi construisse o templo, pois ele era um homem sanguinário, e ordenou que Salomão seu filho construisse o templo em seu lugar, Davi não questionou a decisão de Deus e antes de morrer deu a Salomão todas as instruçôes sobre como deveria ser feita a obra, as plantas, os nomes dos levitas que ele havia escolhido bem como todo ouro e toda prata que seriam gastos na construção.
Davi se foi e seu filho Salomão reinou em seu lugar e anos mais tarde conclui a construção do templo e marcou uma data para a consagração e inauguração, a esta altura Asafe já não era mais um jovem ele era agora um senhor de aproximadamente 65 anos de idade, casado, pai de dois filhos, morava em uma humilde casinha de madeira onde as ruas eram de terra e a vida era precária.
Ele já não ministrava mais louvores a Deus pois em Israel havia um costume de que a certa altura da vida os levitas mais velhos eram aposentados de suas funçoes, dando espaço para os mais novos, Asafe estava aposentado mas o seu coração ainda ardia pela presença de Deus.
Seu instrumento musical, suas vestes de linho fino estavam guardadas em uma caixa uma espécie de baú, e na madrugada por diversas vezes enquanto todos estavam dormindo aquele velho levita abria a caixa com cuidado para que ninguém acordasse e como num abrir e fechar de olhos ele voltava no tempo e lembrava das vezes em que ele conduzia a multidão festiva, lembrava de como ele ministrava o louvor e de como a glória de Deus era real.
Em uma destas madrugadas cheias de nostalgia Asafe vestiu de novo as suas roupas de linho fino que ele havia ganhado das mãos do próprio rei Davi e tirou a poeira de seu instrumento que ele havia por anos tocado, abriu as janelas de sua casa e começou a adorar com toda as suas forças ao Rei, não cantou nenhuma de suas cançoes, visto que ele era um compositor execelente, mas cantou uma canção que havia sido composta pelos fihos de Corá, um Salmo que embora não fosse de sua autoria naquele exato momento expressava toda a sua dor e todo clamor que havia na sua alma e ele cantou assim: “Assim como o cervo brama pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!
A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?
As minhas lágrimas servem-me de mantimento de dia e de noite, enquanto me dizem constantemente: Onde está o teu Deus?
Quando me lembro disto, dentro de mim derramo a minha alma; pois eu havia ido com a multidão. Fui com eles à casa de Deus, com voz de alegria e louvor, com a multidão que festejava.
Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação da sua face.
Ó meu Deus, dentro de mim a minha alma está abatida; por isso lembro-me de ti desde a terra do Jordão, e desde os hermonitas, desde o pequeno monte.
Um abismo chama outro abismo, ao ruído das tuas catadupas; todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim.
Contudo o SENHOR mandará a sua misericórdia de dia, e de noite a sua canção estará comigo, uma oração ao Deus da minha vida.
Direi a Deus, minha rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que ando lamentando por causa da opressão do inimigo?
Com ferida mortal em meus ossos me afrontam os meus adversários, quando todo dia me dizem: Onde está o teu Deus?
Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus” ( Salmos 42:1-11).
As lágrimas rolaram pela face de Asafe, o seu coração estava derramado na presença de Deus e depois de ministrar esta canção ele tirou as suas roupas de festa, guardou seu instrumento e foi dormir.
No dia, seguinte bem cedinho, Asafe foi acordado as gritos pela sua esposa, ele se levantou da cama ainda meio sonolento e sem entender ao certo o que estava acontecendo foi até a sala de sua casa, ainda trajando roupas de dormir e com os olhos inchados e meio abertos, um mensageiro trajando roupas reais veio até a sua casa com uma carta em mãos assinada pelo rei e endereçada para Asafe.
Sem delongas o mensageiro se apresenta, diz que foi enviado pelo próprio rei Salomão e entrega nas mãos de Asafe a carta, eles se despedem e então Asafe senta-se junto com sua esposa e seus filhos para lerem a misteriósa carta do rei.
Nela estava escrito assim: “ Querido Asafe, que Deus, o Todo-poderoso o abençoe.
Davi, o meu pai, reinou com integridade, justiça e sabedoria sobre todo o povo de Israel, e acima de tudo ele sempre buscava a presença de Deus pois amava ao Senhor de todo coração e por ser dedicado á Deus sempre teve em sua vida muitas e incontáveis vitórias.
Ele queria construir um templo como você bem sabe, e se empenhou neste projeto com amor e dedicação, fez a planta, arrecadou fundos para a construção e sonhou com o dia em que o seu sonho seria realizado.
Mas Deus desejou que as coisas acontecessem de outra forma e não permitiu que ele construisse esta obra, mas o orientou que o seu filho, Salomão, construisse o templo.
Muitos anos se passaram, meu pai já se foi e a obra como era da vontade de Deus tinha que ser concluída por minhas mãos e sendo obediente a vontade de Deus construi o templo seguindo a risca todas as orientaçoes que meu pai deixou.
A obra está pronta e precisa ser inaugurada logo, pois Deus tem pressa de habitar entre nós.
Por isso venho por meio desta carta lhe fazer um convite muito especial: quero que você Asafe ministre o louvor na inauguração do templo e mais que isso: quero que você seja o regente, o maestro da orquestra de levitas e gostaria de pedir que você componha uma canção especial para a ocasião; uma canção que traga a presença de Deus para junto de nós.
Espero ve-lo na inauguração e sei que posso contar com você.
Atenciosamente: Salomão, filho de Davi, rei de Israel”.
Os olhos de Asafe ficaram completamente molhados, seu coração bateu mais forte do que nunca, sua esposa e filhos choraram de emoção e compartilharam de sua alegria a glória de Deus encheu aquela humilde, porém, especial casa.
Asafe já não era mais um velho levita aposentado e esquecido pelas pessoas ele havia recebido um convite do próprio rei para ministrar na festa mais importante que Israel já havia celebrado.
Deus naquele momento falava ao coração de Asafe que havia ouvido a sua adoração naquela madrugada e que jamais havia lhe esquecido mas que o amava e que contava com ele em seu projeto na face da terra.
A história de Asafe estava apenas começando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário